Avó dá à luz próprias netas para realizar sonho do filho de ter bebê com marido

Instagram @paisdegemeasfiv/Reprodução

O bombeiro Victor Oliveira e o contador Roberto Pereira moram no Rio de Janeiro e são casados há três anos e meio. O sonho dos dois era ter uma filha recém-nascida, mas o processo de adoção encontrava dificuldades constantemente. Foi quando Valéria Oliveira, mãe de Victor, se ofereceu para ser barriga de aluguel para o filho e o genro. E no último mês de fevereiro de 2017, aos 52 anos, ela deu à luz as netas Alice e Valentina.

Em entrevista ao jornal O Globo, Valéria afirma que tomou a decisão por compartilhar do desejo do filho de aumentar a família. Victor é filho único e, da mesma forma que ele desejava se tornar pai, ela queria ter netos. Mas Roberto, num primeiro momento, foi contra a ideia – ele temia que a gravidez pusesse em risco a vida da sogra. “A possibilidade de realizar o nosso sonho, ter as crianças, e não tê-la não fazia sentido”, afirmou.

Porém, todos os exames clínicos apontaram que o organismo de Valéria estava apto a levar a gestação adiante – apesar de já estar entrando na menopausa, seu útero se encontrava jovem e saudável. O passo seguinte foi encontrar um óvulo de uma doadora anônima, que foi fertilizado com os espermatozoides tanto de Victor quanto de Roberto. Quinze dias depois de ter o embrião implantado em seu útero, Valéria descobriu que estava grávida.

Ela conta que a gravidez foi tranquila e que precisou apenas tomar alguns medicamentos nos primeiros meses da gestação, para estimular o útero à se preparar para o processo. A gravidez foi revelada ao restante da família apenas aos cinco meses, para evitar as perguntas e a confusão que a situação poderia gerar. Mas Valéria sempre esclarecia a todos que não havia nenhum material genético seu nas crianças. E que em momento algum chegou a se sentir mãe: “Só avó, mesmo”, diz, com simplicidade.

O parto foi feito por cesárea, após 37 semanas. Alice nasceu com 2,450 kg e Valentina com 1,850 kg – e por isso precisou ficar 15 dias na UTI, para ganhar peso. Como não estão sendo amamentadas, são alimentadas com um suplemento hipercalórico. A única dificuldade real, até o momento, aconteceu hora de registrá-las: a oficial do cartório queria registrar as meninas com Valéria como mãe e com pai ignorado, para que Victor e Roberto depois entrassem com o processo de adoção. Porém, eles já estavam resguardados com relação a todos rígidos os procedimentos legais envolvendo a “doação temporária de útero”; assim, quando procuraram a Defensoria Pública, logo receberam um ofício que obrigava o cartório a fazer o registro em nome dos dois.

Agora, a família curte a tão esperada chegada de suas novas integrantes. Victor está de licença paternidade com efeitos de maternidade – ou seja, teve direito a seis meses afastado do trabalho, enquanto Roberto pediu demissão para poder acompanhar o marido. Valéria está morando temporariamente com eles, para ajudar no cuidado com as netinhas. E todos muito felizes, como podemos conferir no perfil que o casal criou no Instagram, com o intuito de tirar as dúvidas de outros casais que optem pela fertilização in vitro.

Gostou do conteúdo? Em nossa página tem mais:

Zoom

Zoom in Regular Zoom out

Facebook

Comentário(s)

Comentário(s)