Após “afogar” 4 bebês em balde de cimento, mãe se entrega à polícia

The Japan Times / Reprodução

Uma mulher se entregou à polícia como única culpada por matar quatro bebês recém nascidos os colocando em baldes cheios de concreto. Mayumi Sato, que era mãe das crianças, só confessou o crime duas décadas após cometê-los e alegou que tomou a decisão porque era muito pobre e não tinha condições de cuidar das crianças. Atormentada pela culpa do ato, a mulher resolveu contactar as autoridades. Um funcionário da polícia foi ao local e identificou os pequenos ossos humanos em baldes de concreto que estavam escondidos em um armário no apartamento dela. O caso aconteceu na província de Osaka, no Japão e a acusada já está presa.

Apesar da fama de ser um país desenvolvido, a pobreza é uma realidade problemática no Japão, principalmente entre mulheres. Mayumi tinha um emprego na época do crime, mas, segundo as suas declarações, o dinheiro pago não era suficiente para o sustento dos bebês. O pai das crianças, seu ex-namorado, não lhe dava nenhum tipo de assistência por também não ter renda suficiente. Os relatórios da mídia japonesa contaram que a mãe não tinha a quem se dirigir para pedir ajuda durante o período de dificuldades financeiras. “Eu não pensei que eu poderia dar ao luxo de criá-los. Eu não tinha ninguém para conversar”, explicou ela à polícia.

A investigação irá se debruçar sobre uma nova fase: a remoção dos corpos para realizar uma análise detalhada da causa da morte. A mãe, que teve mais dois filhos, mora com um deles e comentou abertamente o ocorrido. “Eu dei à luz a todos eles no lugar que eu costumava viver. Eu não acho que meu namorado estava ciente do que fiz. Eu trouxe os baldes para minha residência atual com meus outros pertences quando mudei”, disse ela ao jornal japonês Asahi. “Eu senti que não seria capaz de criar as crianças, então eu as coloquei em baldes e derramei cimento em cima”, confessa.

Gostou do conteúdo? Em nossa página tem mais:

Zoom

Zoom in Regular Zoom out

Facebook

Comentário(s)

Comentário(s)