Mãe é bloqueada do Facebook por desabafar sobre maternidade

Reprodução/Facebook

“Amo meu filho, mas odeio ser mãe”. Dessa forma a dona de casa Juliana Reis, 25 anos, resumiu a sua experiência de maternidade. Um desabafo pessoal, feito em seu Facebook, mas que acabou gerando bastante polêmica. Isso por conta do “desafio da maternidade”, uma corrente de postagens que desafiava as mães a postarem fotos com seus filhos como forma de traduzir as suas experiências.

Juliana topou o desafio, e desabafou. Pouco tempo depois o post da dona de casa já havia sido compartilhado milhares de vezes e em cerca de 24 horas já tinha 80 mil curtidas. Os comentários também chegaram aos milhares. Uns apoiando e muitos outros criticando a postagem de Juliana. Muitas pessoas se apressaram em comentar que ela teria depressão pós-parto, fato negado pela dona de casa. Outras pessoas que discordaram decidiram denunciar o perfil de Juliana que, posteriormente, foi bloqueado pelo Facebook.

Reprodução/Facebook

“Já denunciei muitas páginas que incitam ao ódio e nunca vi um bloqueio como o que sofri e, mesmo assim, aconteceu comigo em apenas um dia. Estou chateada por ter sido forçada a me calar”, disse Juliana ao jornal Extra.

Ela reiterou que “sempre quis ser mãe” e que o filho trouxe paz e harmonia para a sua vida, entretanto, cita uma série de situações que lida com dificuldade. Ela cita, por exemplo, que mesmo após 40 dias da cesárea, ainda sente dores, e que também fica dolorida ao amamentar. Também reclama do período pós-operatório, quando várias pessoas tentam dizer o que ela pode ou não fazer com o filho. “De tudo que as mães passam e as pessoas não dão valor, como se toda mulher já tivesse sido programada para viver isso. Postem fotos de desconforto com a maternidade e relatem seus maiores medos ou suas piores experiências para que mais mulheres saibam o que passamos. Dizem que no final sempre acaba tudo bem, mas o meio do processo por muitas vezes é lento e doloroso”, afirmou no desabafo em sua página do Facebook.

Reprodução/Facebook

Após o bloqueio do seu perfil, ela usou a página de uma amiga para falar mais sobre as críticas que estava sofrendo.”Ainda bem que eu estou com muita estrutura pra encarar isso porque se eu sofresse de depressão pós-parto, como muita gente me diagnosticou, vocês só estariam me dando a arma pra me matar”, afirmou Juliana. Que encerrou dizendo que, mesmo discordando de sua posição, as pessoas deveriam tratá-la de outra forma. “Peço para que tenham mais compaixão com a dor do outro! As palavras machucam”.

Zoom

Zoom in Regular Zoom out

Facebook

Comentário(s)

Comentário(s)