Jovem “vive” como bebê para superar depressão e trauma de infância

Little Tori / Instagram

A norte-americana Tori Hart, de 18 anos, usa métodos nada convencionais para enfrentar a depressão, distúrbio alimentar e ansiedade. Com o comportamento de um bebê, a jovem usa mamadeira, fraldas, chupeta e dorme em um berço. As atitudes integram o Adult Baby Diaper Lover (Bebê Adulto Amante de Fralda, em português), geralmente associado a um tipo de fetiche sexual. A vida da garota fora de uma rotina adulta é compartilhada nas redes sociais. No instagram, ela conta com mais de 2 mil seguidores.

Ao jornal britânico Metro UK, Tori afirmou que foi abusada sexualmente na infância. Voltar a ser um bebê agora, na fase adulta, serve como um ‘calmante’, ajudando a jovem a recuperar os anos perdidos. A idade mental da jovem estadunidense durante a teatralização da personagem infantil varia entre 1 e 10 anos. Para ajudar na encenação, Tori conta com um parceiro que atua como sua ‘babá’ e eventualmente desempenha papéis parentais, como a troca de fraldas e dando castigos quando ela se ‘comporta mal’.

Quando bem comportada, a jovem é levada ao cinema, ganha doces e viagens. Para ela, a ideia é se submeter a alguém e dar a essa pessoa o poder de se encarregar do seu bem-estar. Ela explica como funciona a questão da tutela que concede ao parceiro: “Se eu estou com um parceiro, pergunto: ‘Posso fazer isso?’ ou ‘Posso usar isso hoje?’ Falo com ‘voz do bebê e, se estou chateada, vou chorar ou ter um temperamento de birra. Eu também rastejo e rolo”. Esses processos são levados em consideração por Hart como uma forma de se expressar no mundo, fazendo pela primeira vez o que não conseguiu fazer quando era pequena.

Em todas as noites ela vai para a cama com a sua chupeta, o que, segundo afirmou em declaração ao portal Metro UK, a ajuda combater a insônia. “Uma noite eu fui a uma casa de amigos e não consegui dormir sem isso”, relembra. Ela se recusa a fazer todas as necessidades na fralda, mas confessa que não prende o xixi. “É muito reconfortante. Você se sente bem e como se estivesse completamente quente, contente e feliz. Eu me esqueço de todo o resto”.

O papel infantil começou a ser desempenhado após a dificuldade para encontrar remédios para as doenças psicológicas que sofria. Foi então que ela se deparou com uma comunidade de Adult Baby Diaper Lover e se encantou com as atividades. “Fui diagnosticado com ansiedade e depressão há quatro anos e eu costumava tomar diferentes medicamentos, mas nada ajudava”, diz Tori. “Eu me senti como um zumbi. “Então eu encontrei a comunidade e as pessoas que eu amo e o que eu amo fazer. Acabei desistindo de todos os medicamentos. “Isso me fez mais forte, mais confiante e feliz”.

Gostou do conteúdo? Em nossa página tem mais:

Zoom

Zoom in Regular Zoom out

Facebook

Comentário(s)

Comentário(s)