Brasileiro cria sistema de controle mental sobre ratos

Ivan de Araujo

Pesquisadores da Universidade de Yale, liderados pelo pesquisador brasiliense Ivan de Araujo, conseguiram ativar o instinto predatório de ratos controlados mentalmente. De acordo com um estudo publicado na revista científica Cell, um conjunto de neurônios na amígdala, centro de emoção e motivação do cérebro, induz o animal a perseguir presas. Outro conjunto sinaliza o animal para usar seus músculos da mandíbula e do pescoço para morder e matar.

O meio utilizado no estudo é a optogenética. Ela consiste em, por meio da engenharia, fazer com que neurônios específicos disparem ao estimular a luz para isolar e ativar seletivamente cada conjunto de neurônios. Assim, o comportamento controlado desses animais só funcionam quando o laser está ligado. Ligados, eles vão à caça instantaneamente, atacando tudo que vêem pela frente. “Acendemos o laser e eles saltam sobre um objeto, segurando-o com as patas e mordendo-o intensamente como se estivessem tentando capturar e matá-lo”, diz Ivan de Araujo, investigador principal e professor associado de psiquiatria na Faculdade de Medicina da Universidade de Yale, formado pela Universidade de Brasília, em entrevista à publicação científica Phys.

Para a pesquisa, foi colocada uma fina fibra ótica na cabeça dos ratos e, então, houve a conexão. Araujo avisou que esses centros cerebrais não controlam a agressão. “É bem específico que os animais ataquem coisas que são comida”, ele disse. Os ratos não atacaram outros ratos, mas atacaram pequenos insetos falsos.

Gostou do conteúdo? Em nossa página tem mais:

Zoom

Zoom in Regular Zoom out

Facebook

Comentário(s)

Comentário(s)