Há 23 anos, viúvo publica pequenos recados para a esposa falecida

Twitter - @Latanace/Reprodução

Todo dia 23 de março, durante os últimos 23 anos, os leitores do jornal espanhol El País sabem que podem encontrar mais um breve recado a Elenita. O cabeçalho nos informa que se trata do aniversário de sua morte. Em suas poucas linhas, um resumo do que se passou nas vidas de seu remetente, JL Casaus, e também dos gêmeos Boris e Yuri, desde a publicação da última mensagem. Pequenos solilóquios de um viúvo dedicados a quem partiu cedo demais.

Desde 1994, José Luis deixa as mensagens para sua esposa, Elena Lupiañez Salanova, falecida em decorrência de um câncer de pulmão. Uma tradição que, para ele, serve para amenizar a tragédia de uma morte tão prematura; por isso os toques de humor que sempre tenta incutir. Como na nota desse ano, em que brinca com o fato de os filhos já terem saído de casa, mas não serem completamente independentes financeiramente – reflexo da última crise econômica na Europa que, na Espanha, atingiu principalmente os mais jovens.

Elena e José Luis se conheceram em 1986 – ela, parte da equipe do mesmo jornal aonde José até hoje publica os recados; ele, porta-voz do partido Izquierda Unida. Apenas um ano depois, nasciam seus filhos – que tem nomes russos por terem sido concebidos na cidade de São Petersburgo, quando ainda se chamava Leningrado. As lembranças que os dois têm da mãe são vagas – principalmente porque ela, no fim, não queria ser vista pelos filhos tão debilitada. Mas Casaus não se deixa esquecer: “Não temos crença nenhuma. Tenho consciência de que são notas para o nada, exceto para sua lembrança – que essa, sim, existe”.

As mensagens para de José para Elenita, desde o segundo aniversário de seu falecimento, podem ser vistas aqui.

Gostou do conteúdo? Em nossa página tem mais:

Zoom

Zoom in Regular Zoom out

Facebook

Comentário(s)

Comentário(s)