Universitária trans conquista aprovação inédita na OAB-PE

Robeyoncé Lima, aos 27 anos, já era geógrafa e agora vai se dedicar às causas trabalhistas

Por Marcionila Teixeira

 

Uma universitária pernambucana e transexual está no restrito grupo de candidatos aprovados no 18° Exame de Ordem Unificado, da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Esse seria o primeiro caso de uma trans aprovada no teste no estado. Robeyoncé Lima, 27 anos, é estudante do curso de direito da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e também é formada em geografia pela mesma instituição pública. No último teste, cuja segunda fase aconteceu em 17 de janeiro, apenas 21% dos inscritos passaram.

Robeyoncé sempre estudou em escola pública. Fez o teste da OAB pela primeira vez. “Quinze dias antes de fazer a primeira fase, em novembro do ano passado, mergulhei nos estudos. Até deixei de sair para me dedicar mais. Todo mundo espera que, por você ser da UFPE, deve carregar o nome da faculdade no teste”, comentou.

A transexual disse ter começado a se envolver mais profundamente com os estudos ainda criança. Antes de conquistar uma vaga de direito na UFPE na primeira vez que fez o vestibular para o curso, também já tinha feito geografia na federal e meio ambiente no Instituto Federal de Pernambuco (IFPE). “Quando eu era criança, os outros meninos e meninas não gostavam de brincar comigo. Acho que pelo meu jeito feminino, meu comportamento diferente. Não sei se tinham vergonha. Me isolei e comecei a ganhar gosto pela leitura, pelos estudos”, lembrou.

O nome social ela conta ser uma homenagem à cantora americana Beyoncé. “Foi uma forma que encontrei de demonstrar o quanto gosto dela”, disse, explicando que a primeira sílaba do nome tem relação com o nome de batismo. A estudante pretende seguir a área de direito trabalhista e atualmente faz estágio na Justiça Federal. “Cada vitória da gente é importante. As pessoas trans têm que ocupar espaço. Quantas deixam de preencher vagas de emprego, mesmo sendo qualificadas, por conta do preconceito? Quero compartilhar essa vitória com todas as amigas e amigos trans”, pontuou.

Facebook/Reprodução

Gustavo Freire, presidente da Comissão de Seleção e Inscrição da OAB-PE, está na Ordem desde 2013. Desde então, disse nunca ter ouvido falar em caso semelhante. “A história dela ainda é uma exceção e por isso é uma prova de que a gente ainda tem uma longa estrada a percorrer para a sociedade se libertar do preconceito e cumprir o que diz a Constituição, que garante a igualdade para todos”.

No 18° exame da OAB, 124 mil pessoas se inscreveram para fazer os testes, divididos em duas etapas. Na primeira, os candidatos fazem uma prova de múltipla escolha. Na segunda, a prova é discursiva. O teste é feito pelo menos três vezes por ano. Apenas estudantes cursando o último ano de direito e pessoas já formadas podem se inscrever. A aprovação permite que o bacharel em direito seja inserido nos quadros da OAB como advogado ou advogada.

É com muito orgulho que a Diretoria LGBT da UFPE, parabeniza a aluna Robeyoncé Lima, acadêmica do curso de direito,…

Publicado por Diretoria LGBT UFPE em Domingo, 14 de fevereiro de 2016

Zoom

Zoom in Regular Zoom out

Facebook

Marcionila Teixeira

Marcionila Teixeira

Repórter

Marcionila é repórter especial do Diario. Integra a equipe do jornal desde 1996. Cobre a área de Direitos Humanos para a editoria Local. É defensora pessoal da causa LGBTT – mesmo que à distância (mora no Janga)…

Nando Chiappetta

Nando Chiappetta

Fotógrafo

Nando é o fotógrafo ítalo-brasileiro do Diario. É apaixonado pelas histórias de pessoas que compõem a cidade.

Comentário(s)

Comentário(s)