Avião movido a energia solar completa volta ao mundo

Solar Impulse/Facebook

O avião Solar Impulse 2, movido por luz do sol, completou nesta terça-feira, 26 de julho, uma viagem de volta ao mundo. O acontecimento, classificado por cientistas como histórico, teve seu fim no aeroporto de Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos.

O avião tira energia de 17 mil células solares e tem o peso de um carro. Apesar do pouco peso para uma aeronave, tem a largura de um avião Jumbo. Até o momento, o feito do Solar Impulse 2 não é visto como algo que mudará completamente a indústria de aviões, porém, serve como prova de funcionamento e ponto de partida para novas experiências focadas em energias renováveis. As informações são do site de curiosidades científicas IFLS.

A viagem do Solar Impulse 2 começou em Abu Dhabi, em 9 de março de 2015, e percorreu mais de 43 mil quilômetros, sobrevoando a Ásia, Oceano Pacífico, Estados Unidos, Oceano Atlântico e Oriente Médio. Ao todo, foram 17 paradas. Na última, foram dois dias de viagem entre o Cairo, capital do Egito, até Abu Dhabi.

Solar Impulse/Facebook

Para tornar a aeronave o mais leve possível, os pilotos suíços Bertrand Piccard e André Borschberg, viajavam sem muitos dos confortos geralmente encontrados nas aeronaves, como aquecimento ou ar-condicionado. Idas aos banheiros ocorriam em um buraco no próprio assento do piloto e a duração do sono não ultrapassava os 20 minutos, mesmo em voos com duração de vários dias.

Para coletar o máximo de luz solar possível, o avião voava acima das nuvens e descia apenas durante a noite para economizar bateria. A energia solar não fornecia muita potência ao Solar Impulse 2, que atinge a velocidade máxima de 75 km/h.

Solar Impulse/Facebook

Ao longo da sua viagem, o Solar Impulse 2 quebrou alguns recordes, como o voo solo de avião mais longo já realizado, durando cinco dias, entre o Japão e o Havaí em junho de 2015. Piccard se tornou a primeira pessoa a atravessar o Oceano Atlântico em um avião solar, no trecho entre Nova York e Sevilha, realizado em junho de 2016. “Este pioneirismo não entra apenas para a história da aviação, mas também para a história da energia”, disse Piccard em entrevista após aterrissar. “As mesmas tecnologias limpas utilizadas no Solar Impulse poderiam ser implementadas na nossa vida”, complementou.

Gostou do conteúdo? Em nossa página tem mais:

Zoom

Zoom in Regular Zoom out

Facebook

Comentário(s)

Comentário(s)