A história do Parque da Jaqueira: de sítio ao principal parque do Recife

Com 30 anos de funcionamento, Parque da Jaqueira já foi até campo de futebol e abriga uma das mais ilustres igrejas barrocas ainda de pé

 

Milhares de pernambucanos, semana após semana, reservam dias para praticar exercícios físicos ou curtir a natureza no Parque da Jaqueira. Mas, provavelmente, a maior parte deles desconhece o percurso e valor histórico do local. Considerado o terceiro maior parque da cidade – atrás do Parque de Exposição (Cordeiro) e do Parque Santana (Graças) -, aquela considerável área verde já foi um pouco de tudo: sítio, campo de futebol, área planejada para receber loteamentos de casas para funcionários do Instituto o Nacional de Seguridade Social (INSS), até, por fim, em 1984, assumir a atual função.

De acordo com o historiador Leonardo Dantas, o espaço, inicialmente, era uma propriedade de um rico comerciante recifense chamado Henrique Martins. No local, funcionava, de fato, um grande sítio. Foi justamente o dono das terras que, ainda no século 18, ordenou a construção da capela de Nossa Senhora das Barreiras, que marca o parque. “Ela é uma das joias do barroco mundial. Um dos exemplos do barroco português pelas obras de artes que possui e pelos artistas que participaram de sua concepção”, explica.

Na década de 1930, de sítio, o lugar virou campo de futebol. Na época, a Jaqueira abrigou um clube de futebol de carreira curta, que desafiou o trio da ferro da capital. O Pernambuco Tramways, formado por funcionário da empresa inglesa responsável pelos bondes elétricos, trens e telégrafos do Recife, foi bicampeão invicto em 1936 da Liga Esportiva de Pernambuco, o equivalente ao atual Campeonato Pernambucano – e até hoje, nenhum clube repetiu o feito. “Era um time muito forte e competitivo. Naquele tempo, não havia a profissionalização. Mas os jogadores do Pernambuco Tramways ficaram reconhecidos pelo fenômeno do amadorismo marrom, afinal de contas, eles recebiam salário da empresa e jogavam”, explica Rostand Paraíso, autor do livro Esses Ingleses, um relato sobre a presença destes estrangeiros no Recife.

Segundo a professora de desenvolvimento urbano da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Ana Rita Sá Carneiro, em 1951, o paisagista Burle Marx desenhou e doou um projeto para o entorno da igreja. O espaço ainda era usado como campo de futebol por outros clubes, como o América. “O resultado nós temos hoje. Burle Marx pensou toda aquela vegetação, os bancos ao lado da igreja, que funcionam como uma moldura”, explicou a professora.

Quase abandonado, na década de 1970, o local passou a receber a Feira do Comércio e Indústria de Pernambuco, a Fecin. Tratava-se de uma espécie de parque de diversões popular que ficava montado alguns meses no ano e reunia pessoas de vários bairros e cidades da Região Metropolitana do Recife. Considerada como um equipamento voltado ao público, a feira recebeu isenção de impostos em 1970 e exibia o nostálgico tobogã plástico em que crianças desciam em sacos de ráfia.

Em 1984, na gestão do prefeito Joaquim Francisco, iniciou-se a campanha para transformar o terreno em um grande parque na cidade. O antigo campo era, então, de propriedade do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS) e o plano era, ali, construir um residencial popular. No entanto, o terreno foi cedido por meio de contrato de comodato para a Prefeitura do Recife por 20 anos. Antes do término do acordo, em virtude da Lei Federal 10.175, o órgão foi obrigado a doar o espaço para o município, em 2001. “É um dos nossos melhores parques e ele atende exatamente essa necessidade que temos de espaço contemplativo e voltado para a prática do exercício físico”, completa Ana Rita.

horário de funcionamento

O parque

metros quadrados

visitantes por mês (mais que a população de Abreu e Lima)

de pista de cooper

de ciclovia

parques infantis (sendo um, inclusivo)

Lei de 2001 que doa área ao Recife

Zoom

Zoom in Regular Zoom out

Facebook

Afonso Bezerra

Afonso Bezerra

Repórter

Afonso é estagiário do Diario desde 2014. Atualmente escreve para a editoria Local. Gosta tanto de parques que foi morar em São Lourenço da Mata, onde não faltam áreas verdes…

Comentário(s)

Comentário(s)