Usuários e motoristas de aplicativos de transporte sofrem com falta de segurança no Recife

por

Apps de solicitação de transporte investem na confiança de perfis registrados, mas passageiros e motoristas ficam expostos à insegurança

 

No Recife, buscar um táxi livre nas ruas ou solicitar via centrais são atitudes em declínio desde a chegada dos aplicativos de serviços de transporte individualizado. Ferramentas como 99 Taxi, Easy Taxi e o polêmico Uber são alternativas ao público pernambucano na hora de dispensar o uso do carro próprio e, apesar da contribuição no sentido de reduzir veículos nas vias da cidade, há quem tenha enfrentado problemas de segurança, a exemplo de assaltos de usuários dos aplicativos.

Easy Taxi

cidades no mundo

Uber

cidades no mundo

99 Taxi

cidades no Brasil

Em junho de 2016, o motorista de Uber, de 22 anos, Bruno, nome fictício, conheceu na pele a vulnerabilidade a qual um motorista se expõe. Atendendo a um chamado realizado pelo aplicativo, dirigiu-se a uma rua mal iluminada do bairro da Boa Vista, no Recife. Ao perceber que a permanência na via oferecia riscos à sua integridade, ligou para o número que havia solicitado o veículo pedindo que a pessoa viesse até o carro e acabou abordado por dois homens armados, que lhe levaram o veículo e os pertences. “No assalto, perdi meu celular, minha carteira e o carro, que era alugado. Tive um prejuízo de mais de R$ 3 mil atendendo a um chamado”, detalha. Apesar de traumatizado, Bruno continua dirigindo a serviço pelas ruas de Recife para cobrir o prejuízo financeiro.

 

Procurada, a empresa Uber alegou que, por se tratar de problema de segurança em vias públicas, não se responsabilizaria pelos bens roubados. Apesar de não exercer providências neste caso, a Uber divulga que trabalha com um método seguro e viagens, por possuir o cadastro do motorista e do passageiro no sistema antes de qualquer viagem ser solicitada.

O promotor de defesa do consumidor Ricardo Coelho explica que, mesmo ocorrendo durante a prestação de um serviço solicitado por aplicativo, assaltos a táxis e a Uber em atendimento não se caracterizam como crime de consumidor, porque, em vias públicas, não cabe relação de consumo. Nesses casos, portanto, o boletim de ocorrência do caso deve ser registrado em delegacias comuns, juntando-se às estatísticas de crimes no trânsito.

Registro de motoristas
(O que é necessário?)

99 Taxi
Nome
RG / Identidade
CPF
Telefone para contato
CNH
Cadastro de taxista no município
Easy Taxi
Nome
RG / Identidade
CPF
Telefone para contato
CNH
Cadastro de taxista no município
Documentos do carro
Uber
Nome
RG / Identidade
CPF
Telefone para contato
CNH
Documentos do veículo (carro a partir de 2008 e com 4 portas)
Contrato de seguro de acordo com os termos e condições da companhia
Ficha limpa de antecedentes criminais

Com apenas alguns toques na tela do celular, qualquer pessoa é capaz de contratar o serviço e ir ao local desejado na hora que quiser. Os serviços móveis ativados por aplicativos conectam os moradores de uma cidade com o compartilhamento de espaços e serviços. Neles, é desenvolvido um senso de comunidade por meio da confiança na colaboração entre usuários, que juntos, a partir das opiniões e avaliações pessoais de cada uso, constroem o conceito de cada prestador do serviço. Falta apenas que se forme esse senso de comunidade com o poder público, que ainda deixa sem respostas e soluções ágeis a população que reivindica direitos em questões fundamentais como segurança pública.

Comentário(s)

Comentário(s)