Os batimentos da principal emergência cardiológica de Pernambuco

Procape sofre com falta de recursos, mas ainda é a emergência com maior número de registros de emergência no estado e serve de laboratório para médicos em formação

Doze botijões de 20 litros. Esta é a quantidade de sangue que nosso coração bombeira em apenas uma hora – cerca de 4 a 5 litros por minuto e quase 6 mil litros por dia. Não é de se admirar que o coração seja um dos órgãos que mais exija atenção e esteja envolvido em quase metade das mortes naturais. Lidar com uma delicada “máquina” dessas não é simples. Imagine então, lidar com 70 delas por dia. Essa é a rotina do Pronto-socorro cardiológico de Pernambuco – Professor Luiz Tavares, o Procape. Apenas em 2014, foram mais de 25 mil consultas apenas no setor de emergência, o equivalente à população do município de Amaraji, na Zona da Mata norte do estado. Tudo isso é registrado num lugar em que cada minuto vale ouro.

Não que você ficará com os olhos no relógio, mas a partir de quatro minutos a paralisação cardíaca começa a provocar algumas sequelas no paciente. Os sintomas são bem claros. De imediato, é possível identificar algumas lesões no corpo. De acordo com o cardiologista Pedro Casé, que atende na emergência, os indícios de problema cardíaco são bem simples e fáceis de diagnosticar. “O paciente começa sentindo dores no peito, uma falta de ar, dores na cabeça, até mesmo fraqueza e fadiga”, explica.

Para dar conta da dimensão de pacientes atendidos, é necessário um “exército” de funcionários. São mais de mil pessoas na equipe, entre médicos, enfermeiros, assistentes administrativos e prestadores de serviço para dar conta de 20 vezes mais pacientes – dos quais os homens ainda são os mais frequentes, com curta distância e, normalmente, há histórico familiar, no qual é preciso ficar de olho, além de cuidar da alimentação. “Sem dúvida, é indispensável sempre realizar exames periódicos, se exercitar bastante e manter uma alimentação regular. É importante não se descuidar para evitar problemas no órgão”, completa Casé.

A maior emergência cardiológica do estado foi criada em 2006, com a finalidade não apenas de suprir a carência de unidades especializadas em cardiologia, mas servir como apoio na formação dos médicos da Universidade de Pernambuco (UPE). A função é até cumprida, apesar do grave problema de escassez de recursos, que, segundo a atual gestão da unidade de saúde, já representa deficit de pouco mais de R$ 1,5 milhão.

É o tempo que o fígado ainda é viável sem bombeamento de sangue pelo coração

É o tempo que o cérebro leva para começar a ter sequelas graves após o coração parar de bombear sangue no corpo

Principais problemas tratados no Procape

A

Hipertensão arterial sistêmica

A

Insuficiência cardíaca

A

Infarto agudo do miocárdio

A

AVC – Acidente Vascular Cerebral

Principais sintomas de problemas cardiológicos

A

Dor no peito

A

Falta de ar

A

Dor de cabeça

A

Fraqueza ou fadiga

A

Tontura e desmaios

Afonso Bezerra

Afonso Bezerra

Repórter estagiário

Afonso é estagiário do Diario há um ano e atualmente escreve para editoria Local do jornal. Com check-up em dia, o coração só falha mesmo durante os jogos do Santa Cruz.

Comentário(s)

Comentário(s)