Natal de Garanhuns une tradições nordestina e europeia

por

Natal Luz da chamada “Suíça pernambucana”, no Agreste, entra em seu quarto ano como opção econômica e agradável no Nordeste

Fotos: Nichole de Andrade – SECOM/PMG

 

Bem longe da Lapônia, terra oficial de Papai Noel, o destino natalino do Agreste pernambucano investe no clima ameno, em anfitriões acolhedores e numa decoração cheia de luzes. O Natal Luz de Garanhuns, pelo quarto ano, investe no que seria um “segundo Festival de Inverno” para a região: quase todos os três mil leitos de hotéis e pousadas estão reservados por turistas e mais de 600 mil pessoas são esperadas até o último dia do ano na Suíça pernambucana.

Quem caminha pelas ruas do município e visita as praças pode não acreditar que só 60 artesãos locais foram responsáveis por confeccionar toda a decoração. Uma árvore gigante cheia de bichinhos de pelúcia, presentes iluminados nas calçadas e a praça do relógio, transformada em um parque de doces com direito a trenzinho, bonecos animados e o próprio Papai Noel contando histórias a cada dez minutos são os responsáveis por encantar moradores e turistas.

A semelhança com o Natal de Gramado, no Sul do Brasil, não é coincidência. A adaptação da cultura local no festival, porém, é apontada como um dos diferenciais do evento. “A maioria das apresentações é de artistas locais. Além disso, não podemos esquecer da tradição local, como os grupos de reisados”, comenta Cirlene Leite, secretária de Cultura do município.

Além daqueles turistas que, em período de crise econômica, evitam sair do estado para curtir o fim do ano, o Natal Luz de Garanhuns também é opção para os moradores locais, que acompanham a família inteira nas visitas às praças da cidade. “É muito emocionante ver a cidade cheia. Está ainda melhor do que no ano passado”, comenta, impressionada com a decoração, a merendeira e moradora da cidade Audenice Bonfim.

A inspiração para a decoração é variada: começa pelos palácios de Nice, na França, de onde surgiu a ideia dos pórticos iluminados do relógio das flores, e vai até lojas de brinquedo da Disney, responsáveis pelos esboços que logo se tornaram espelhos e brinquedos em outras praças. Seja viajando, buscando pela internet ou ouvindo a opinião de colegas, nenhuma ideia é pequena demais ou impossível para a cidade. “A gente não decora só uma praça, é uma cidade inteira, então nosso conceito é amplo”, explica Michelle Regis, filha de Izaías Regis, prefeito da cidade. Junto a uma equipe voltada à realização do evento ao longo de todo ano, ela é apontada pelo pai como uma das principais responsáveis pelo resultado final da cidade. A recompensa, diz, é ver a retribuição do público. E o retorno financeiro para a cidade deve ser expressivo: o desenvolvimento econômico estimado é de 7% neste período.

Apesar de ter se esforçado o ano inteiro com a decoração, só após o último dia de evento a equipe pode descansar. Até lá, a filha do prefeito, as secretárias da pasta de Turismo e Cultura, amigos da família e todos os voluntários coordenam carros alegóricos nos desfiles de fim de semana.  “Faço isso porque gosto. É tudo por amor”, comenta MIchelle.

A programação artística segue até o dia 31 de dezembro e a decoração, até o Dia de Reis, 6 de janeiro. Depois disso, todo o material será retirado e reaproveitado. Para os próximos anos, algumas metas foram traçadas: aumentar ainda mais o público e tentar aperfeiçoar a marca do Natal Luz de Garanhuns para apostar no mercado de suvenires. “Precisamos que os empresários também entrem no clima do Natal com a gente. O FIG traz pessoas, mas só o Natal leva o essencial, que é o pai, mãe, criança, avó e avô para as ruas da cidade”,  afirma o prefeito.

Lorena Barros

Lorena Barros

Repórter

Comentário(s)

Comentário(s)