Recifense e masculina: o perfil da Academia Pernambucana de Letras por seus integrantes e obras

Pouca gente sabe, mas no dia 29 de outubro é celebrado o Dia Nacional do Livro. Para marcar a data, trouxemos um perfil dos membros da Academia Pernambucana de Letras, entidade fundada há 114 anos, pelo romancista recifense José Maria Carneiro, sendo a terceira mais antiga academia de letras do Brasil.

Por várias décadas as reuniões da APL ocorriam em salas cedidas pelo Instituto Arqueológico Histórico e Geográfico de Pernambuco, até que em 1966, o casarão da Vaenida Rui Barbosa foi cedido por determinação do então governador do estado, Paulo Guerra. A APL conta atualmente com 40 cadeiras, ocupadas, por enquanto, por 39 membros – a de número 4 ainda está vaga. Somadas, as idades dos participantes ultrapassa os 3 mil anos.

Entre os membros, o mais antigo é o Marcos Vilaça, ocupante da cadeira 35 há quase 50 anos. Por outro lado, a mais recente é a escritora Nelly Carvalho, que será empossada em breve. Dentre os participantes, a grande maioria é composta por homens, ocupantes de três entre cada quatro cadeiras. Outro dado mostra a predominância da capital do estado, local de nascimento de mais da metade dos escritores. Os demais ou fazem parte do interior do estado e seis são nascidos em outros estados, mas construíram a maior parte da carreira em solo pernambucano.

A mais idosa
Marly Mota
Nascida em: 22/01/26

O mais jovem
Antônio Campos
Nascido em: 25/06/68

O mais antigo
Marcos Vilaça
Cadeira 35 há 49 anos

A mais recente
Nelly Carvalho/2015
Ocupará cadeira 26

Cadeiras é ocupada por mulheres

%

Das vagas são ocupadas por recifenses

Escritores são de outros estados

anos - é quanto todos os imortais têm somados

Comentário(s)

Comentário(s)