Dependência afetiva: mulheres buscam ajuda por amar demais

Sentimento em excesso tem gerado pessoas com dependência afetiva. O processo de recuperação, enquanto doente, é longo, difícil e, assim como em grupos mais conhecidos, como o Alcoólatras Anônimos, depende de um tratamento em 12 passos

Destrutivo. Assim é como o amor em excesso pode se manifestar. E vai além, gera dependência. Por um caminho de saída deste “vício” as Mulheres que Amam Demais Anônimas (MADA) se reúnem semanalmente no Recife. No grupo, mulheres envolvidas em relacionamentos destrutivos, que se manifestam de diversas formas – passam pela não aceitação de um amor não correspondido, pelo ciúme obsessivo e, por vezes, pela submissão a violências física e psicológica. Como em outros grupos de apoio a dependentes, em geral, surge como tábua de salvação.

Na história de Vitória*, 61, há dois casamentos. Ambos com excessos. O primeiro durou mais de dez anos e lhe deu duas filhas, criadas praticamente apenas pela mãe. A presença do marido só se notava em suas agressões verbais e físicas. “Hoje eu tenho certeza que casei com um psicopata”, resume. Após a separação, foram seis anos até o segundo casamento, que durou outros sete. E o problema se repetiu. “Ele era uma pessoa muito difícil, desequilibrada. E eu era louca por ele. Vivia a vida dele, fazia o que ele queria, andava com quem ele queria e vestia o que ele queria”, conta.

A separação ocorreu por conta das filhas. Se deu conta que a insistência em persistir num relacionamento sem salvação afetava as garotas. “Ele não as agredia, mas maltratava demais com palavras. Ainda hoje, elas têm acompanhamento psicológico para ajudar a superar aquele momento”. Destruída, viu um cartaz num ônibus e passou a frequentar o grupo. “No MADA, tive coragem de enfrentar tudo que passei, porque tinha certeza que o compartilhado ficaria entre a gente”. Aos poucos, a autoestima minada foi sendo restaurada. “Tinha muito medo de ficar sozinha. Hoje essa história de solidão não existe para mim mais”.

 

Encontros do MADA

#1 Igreja Católica do Pina
Avenida Herculano Bandeira, 471
Quartas – 19h às 21h
#2 Paróquia de N. Senhora de Fátima
Rua Marquês de Valença, 350, BV
Domingos – 15h às 17h

Em busca da superação

No MADA, o objetivo é dar fim aos relacionamentos que não trazem nada de bom e dar um novo início às suas vidas, anuladas para viver em função do companheiro ou companheira. Para isso, é preciso seguir 12 passos inspirados nos Alcoólicos Anônimos, célula-mãe de todos os grupos de autoajuda. Cada passo consiste em um estágio e cabe a cada mulher assumir quando está pronta para dar o seguinte. “O primeiro é o mais difícil, de admitir que não tem mais controle sobre a própria vida”, explica Helena*, uma das fundadoras da célula do MADA, há 8 anos, no Recife.

“Se eu fosse você” é uma frase proibida no grupo. O MADA não é lugar de conselhos, nem de ajuda de profissionais. Nos encontros todas as mulheres têm o direito de falar e o dever de escutar. O momento recebe o nome de partilha. Ela acaba sendo não só de experiências, mas também de dor. A angústia sentida por estar em meio a um vício é dividida com as outras, e assim, diminuída. “No MADA se fala a verdade sem medo de ser sincera, de ser honesta e sem temer julgamentos, pois eles não existem. As mulheres chegam pedindo ajuda e aquilo que a outra fala começa a servir para as nossas vidas”, conta Helena.

Fotos: Paulo Paiva/DP/D.A.Press

Quando o amor tolera demais

Luzinete hoje se diz curada e livre. Permanece no grupo por gratidão. Mas sua vida foi permeada por uma sequência de abusos ao longo de quase 30 anos. Casou jovem e após o nascimento do primeiro filho, começou a ser agredida pelo marido. Cada episódio era seguido pelo pedido de perdão, prontamente atendido. Então, se iniciava um período de “lua de mel”, que durava até a próxima agressão. A dor fazia parte de uma rotina da qual não conseguia sair. “Era como um vício. Me fazia mal, mas eu não conseguia deixar. Me submetia a tudo. Todo final de semana era uma surra”, relata.

A certo ponto, dormia pronta para fugir de casa se percebesse que seria agredida. Se o marido estivesse embriagado, a agressão era quase certa, normalmente precedida por diversos xingamentos. “Eu fugia, passava dois, três dias longe dele, mas sempre voltava”.

Todos esses abusos não davam fim ao amor que sentia pelo marido. É visível o arrependimento de Luzinete ao dizer que “gostava mais dele do que dos próprios filhos”. “Por anos, me afastei da família, dos amigos. Tudo era pra ele, minha vida era dele”. Da experiência do MADA, ficou uma lição que leva para o resto da vida. “Não adianta você achar que vai mudar a outra pessoa. Ela não vai mudar, a mudança tem que vir de você mesma”. No caso dela, a mudança passou pela decisão de denunciar o marido e conseguir dar prosseguimento a vida. “Hoje, me sinto livre. E dele,  procuro distância”.

Vício, dependência e sexo: a trindade do desrespeito

O psicólogo e terapeuta Rubens de Melo aponta que a vertente sexual é sempre a mais contundente no “vício” em relacionamentos destrutivos vivenciados pelas mulheres. “Ela passa por um processo de culpa. Cultural e historicamente, a mulher é criada para ser dona de casa ou mãe de família. Em resumo, ser subserviente ao homem. Qualquer indício de desejo sexual, faz com que se sinta culpada”, aponta.

Ele esclarece que a violência física, psicológica e a rejeição exercidas pelo companheiro acabam sendo processadas como punição, sem que a mulher se dê conta disso. “No papel do ser humano que cometeu um delito (desejo sexual), ela deve ser condenada e punida pela culpa e deve cumprir uma pena. A punição é justamente a violência que ela sofre e acaba estabilizando-a. Ela fica pronta para um novo ciclo de violência”, explica.

Para Melo, grupos como o MADA exercem um papel importante para que elas possam encarar esses problemas. “Perceber que não estão sozinhas, perceber que outras pessoas compartilham de sua dor, dá uma sensação de aconchego e torna essa tarefa mais fácil”.

Os 12 passos do MADA

1° passo

“Admitimos que éramos impotentes perante os relacionamentos e que tínhamos perdido o controle de nossas vidas”

2° passo

“Passamos acreditar que um poder superior a nós mesmas poderia nos devolver a sanidade”

3° passo

“Decidimos entregar nossas vidas aos cuidados de Deus, na maneira como o concebíamos”

4° passo

“Fizemos um minucioso e destemido inventário moral de nós mesmas”

5° passo

Admitimos perante Deus, perante nós mesmas e outro ser humano, a natureza exata de nossas falhas.

6° passo

“Nos dispusemos inteiramente a deixar que Deus removesse os defeitos do nosso caráter”

7° passo

“Humildemente, pedimos a Ele que nos livrasse de nossas imperfeições”

8° passo

“Fizemos uma lista de todas as pessoas que prejudicamos e nos dispusemos a reparar os erros que cometemos com elas”

9° passo

“Fizemos reparações diretas dos danos causados a tais pessoas, sempre que possível, salvo quando fazê-lo significasse prejudicá-las ou a outrem”

10° passo

“Continuamos fazendo o inventário pessoal e, quando estávamos erradas, nós o admitíamos prontamente”

11° passo

“Procuramos, por meio da prece e da meditação, melhorar nosso contato com Deus, na forma em que o concebíamos, rogando apenas o conhecimento de Sua vontade e forças para realizar essa vontade”

12° passo

“Graças a esses passos, experimentamos um despertar espiritual e procuramos transmitir essa mensagem a outras mulheres, dependentes de pessoas. Procuramos praticar esses princípios em todas as nossas atividades”

De onde vem o MADA?

Todas as células do MADA são independentes, mas tem em comum o livro Mulheres que Amam Demais, de autoria da terapeuta norte-americana Robin Norwood. Traduzido para 25 idiomas, a obra já vendeu mais de 3 milhões de exemplares. Nela, são apontadas características de uma pessoa que ama em excesso, de forma prejudicial e como identificar se amor sentido não é saudável, baseando-se em 30 anos de experiência com pacientes.

Essas são as características de uma pessoa que ama demais, de acordo com a obra de Norwood:

Idiomas traduzidos

Milhões de exemplares vendidos

R
Como não recebeu um mínimo de atenção, tenta suprir essa necessidade insatisfeita através de outra pessoa, tornando-se superatenciosa, principalmente com homens aparentemente carentes.
R
Habituada à falta de amor em relacionamentos pessoais, está disposta a ter paciência, esperança, tentando agradar cada vez mais. Está disposta a arcar com mais de 50% da responsabilidade, da culpa e das falhas em qualquer relacionamento. Sua autoestima está criticamente baixa, e no fundo não acredita que mereça ser feliz. Ao contrário, acredita que deve conquistar o direito de desfrutar a vida.
R
Com medo de ser abandonada, faz qualquer coisa para impedir o fim do relacionamento. Quase nada é problema, toma muito tempo ou mesmo custa demais, se for para “ajudar” o homem com quem esta envolvida.
R
Como não pode transformar seus pais nas pessoas atenciosas, amáveis e afetuosas de que precisava, reage fortemente ao tipo de homem familiar, porém inacessível, o qual tenta, transformar através de seu amor.
R
Vem de um lar desajustado, em que suas necessidades emocionais não foram satisfeitas.
R
Como experimentou pouca segurança na infância, tem uma necessidade desesperadora de controlar seus homens e seus relacionamentos.
R
Esta muito mais em contato com o sonho de como o relacionamento poderia ser, do que com a realidade da situação.
R
Tem tendência psicológica, e com frequência, bioquímica a se tornar dependente de drogas, álcool e/ou certos tipos de alimento, principalmente doces.
R
Mascara seus esforços para controlar pessoas e situações, mostrando-se “prestativa”.
R
Ao ser atraída por pessoas com problemas que precisam de solução, ou ao se envolver em situações caóticas, incertas e dolorosas emocionalmente, evita concentrar a responsabilidade em si própria.
R
Tende a ter momentos de depressão, e tenta preveni-los através da agitação criada por um relacionamento instável.
R
Não tem atração por homens gentis, estáveis, seguros e que estão interessados nela. Acha que esses homens “agradáveis” são enfadonhos.
w

Homens também amam

Rubens de Melo criou o grupo HADA (Homens que Amam Demais Anônimos), porém, não teve o mesmo êxito do MADA. Os homens que participavam dos encontros não estavam lá na semana seguinte, fato que gerou a suspensão dos encontros. “Para o homem a situação é bem difícil. De modo geral, acham que depender demais da mulher compromete o seu papel histórico-social de provedor, por isso a dificuldade maior”, aponta. “O papel masculino de que é forte, de que não sente dor, mesmo não sendo real, é o mais aceito. Acaba sendo um mecanismo para manutenção do status quo”, complementa Melo.

Saiba mais

B.O.s por violência de gênero

mulheres e crianças em abrigos estaduais

mulheres morreram vítima de violência de gênero

homens são monitorados eletronicamente por ameaças

Fonte: SDS

João Vitor Pascoal

João Vitor Pascoal

Repórter

João Vitor é repórter do Diario de Pernambuco e integra a célula de dados do jornal. Se dedicou a revelar o cotidiano de excessos, ainda que no campo afetivo. No teste do grupo MADA, não teve nenhuma resposta “SIM” – ama na medida certa.

Paulo Paiva

Paulo Paiva

Fotógrafo

Comentário(s)

Comentário(s)