De hosana a Eledá: a linguagem e o que significam os principais termos das maiores religiões brasileiras

por

Como as palavras representam mais que a fé, mas a cultura de um povo e o que é necessário saber para compreender (e respeitar) as diferenças à luz da espiritualidade

 

Religiosidade. Dimensão transcendente do ser humano e expressivo espaço linguístico. Cientificamente, uma comunidade que divide a mesma crença é algo presente na terra desde os primórdios da existência humana. Buscar o que está além de si mesmo e procurar um “motivo maior” que justifique a vida e norteie a realidade é a sede da humanidade, revelada em todas as épocas, culturas e contextos. E nesse contexto de realidade simbólica, os campos da fé e da linguagem dialogam intensamente. Com inúmeras variações, as religiões praticadas no Brasil não apenas diferem no direcionamento do sagrado e espiritual, mas também nas formas de comunicação. É quando catolicismo e designações protestantes, ainda que cristãs, podem se distanciar muito além do dogma, e nesse terreno, umbanda e candomblé, muitas vezes confundidos, mostram normativamente suas distinções. É no vocabulário religioso que se alicerça os fundamentos mais básicos da fé enquanto envolvimento do humano classificado como “praticante” e é com ele que a cultura se faz registro.

“Cultura abrange tudo aquilo que as pessoas produzem, criam e as identificam, portanto, religião é cultura. Simbolizada por ritos e cerimônias, a religiosidade busca estreitar o relacionamento entre o homem e o transcendental, e entre o homem e seus semelhantes”, explica o doutor em literatura e cultura Robson Teles, mostrando que a invenção religiosa é contemporânea à produção cultural.  Quase 92% dos brasileiros se identificam com algum tipo de religião ou professam determinada crença, segundo o IBGE. Estudar a variedade linguística no campo de determinada fé é tocar na identidade daquela “tribo” social. “As expressões linguísticas funcionam como marcas identitárias, pois elas marcam o lugar social do qual o sujeito produz o discurso religioso. Elas não possuem o sentido em si, mas nas relações que estabelecem com a exterioridade”, esclarece o mestre em língua portuguesa Dalexon Sérgio da Silva.

O guia da fé em palavras

Reunimos o significado de palavras que fazem parte do cotidiano da fé na prática religiosa das designações espirituais mais comuns no país, expressões das quais muitas passaram a fazer parte da cultura linguística popular sem o devido conhecimento de seus significados ou origem. Afinal, o que você sabe sobre “ave”, “hosana” ou “pombagira”?

 

 

 

 

 

Catolicismo

 

 

Os católicos representam 57% do Brasil, de acordo com dados da Datafolha, divulgados em 2013. Há décadas, a religião católica é dominante no país. Marina Mayra é estudante, tem 19 anos, frequenta missas, Marina enfatizou a importância das expressões verbais nos encontros, entendendo que faz parte da consolidação religiosa. “As palavras são importantes porque permitem a comunicação entre as pessoas. É por meio da linguagem que expressamos adoração, súplicas, louvores e nosso amor por Deus”.

%

Católicos declarados no Brasil no século 20

%

Católicos declarados no Brasil no século 21

"Ave Maria"

Nome dado a uma oração católica. “Ave” é uma saudação comum entre os romanos. Dizer “Ave Maria” é como saudar a virgem.

"Kyrie eleison"

Expressão de origem grega, quer dizer “Senhor, tende Piedade de nós”

"Christe eleison"

Expressão de origem grega, quer dizer “Cristo, te de piedade de nós!”

"Rosário"

Coroa de Rosas > Recitação repetitiva de oração à Maria

"Eucaristia"

Um dos principais rituais sagrados da igreja (Pão e vinho tornam-se corpo e sangue de Cristo)

"Terço da misericórdia"

Devoção que consiste em orações repetidas baseadas nas aparições que uma Santa católica recebeu de Jesus Cristo

 

 

 

 

Candomblé

 

 

 

Axé

Equivale ao “Amém” (“assim seja”) das religiões de matriz judaico-cristãs

Eparrêi

É uma saudação para a orixá Oya 

Abá

Título para se referir a uma pessoa idosa

Balé

Chefe ou líder de comunidade 

Ogan

É um cargo de alta importância nas celebrações

Akoro

É uma qualidade atribuída a Ogun, o orixá das guerras, por ele ter sido o primeiro a vir à Terra

As expressões verbais das religiões de matriz africana (adotadas por 0,3% dos brasileiros), derivam normalmente da língua Iorubá, que vem da Nigéria. Segundo a estudante candomblecista Larissa Lins, muitas palavras que conhecemos hoje são em Iorubá, como, por exemplo, axé e acarajé. Falando sobre a complexidade da linguagem no Candomblé, ela explica que é difícil traduzir as expressões para o português e que as correntes afrodescendentes são diferentes e têm construções diferentes.  Larissa lembrou que existem grupos na religião e cada um deles têm suas especificidades verbais. “O Candomblé é bastante tradicional, ou seja, a origem africana, em todos os sentidos é muito valorizada. Todas as palavras, independente da nação, são de línguas da África”, pontuou. Candomblé Angola (Falam Kimbundo), Candomblé Nagô (Falam Iorubá) e Candomblé Nação Ketu (Falam Iorubá) são as principais nações candomblecistas.

 

 

 

 

Umbanda

 

 

 

A Umbanda, tendo matrizes africanas, assim como Candomblé, é uma religião à parte e bastante peculiar. Larissa, amante da cultura afro, também fez parte da Umbanda antes de aderir ao candomblé e explica a distinção, principalmente no campo da linguagem, entre ambas as designações. “A grande diferença entre as palavras proferidas em um culto umbanda é que, como é uma designação mais sincretizada, encontram-se falas do próprio cristianismo, um fato que não é comum no candomblé. A umbanda compara Ogum com São Jorge, Nossa Senhora da Aparecida com Iemanjá e, algumas vezes, faz rezas católicas. A umbanda é um pouco mais ecumênica”, esclarece a estudante.

%

é o percentual médio de pessoas com religiões de matriz africana no Brasil (IBGE não faz separação entre elas)

Cabeça Maior

Pessoa de alta hierarquia no templo

Amarrado

Estado de uma pessoa atingida por vibrações do mal

Saravá

Saudação. Equivale a um “Salve!” “Viva!”

Kiumba

Espírito obsessor (mau)

Palinó

Cântico ou poema em louvor a Iemanjá

Meisinha

Despacho, mandinga, trabalho

 

 

 

 

Mórmons

 

Selamento

Ligação entre o céu e a Terra

Sacramental

Ritual em que se come pão e vinho em memória do sacrifício de Jesus na cruz

Ala

Um dos nomes para a congregação dos mórmons

Elder

Título para os missionários

Sister

Título para missionárias

Fubeca

Membro da igreja que não cumpre todos os mandamentos

mil é a média estimada de mórmons em Pernambuco

Apesar de ser representada por uma parcela mais restrita da população brasileira (0,11%), a religião dos mórmons, que têm esse nome devido ao Livro dos Mórmons, que o norteia, tem o Brasil como terceira principal casa. Michael Lucena é mórmon e explicou que, embora a religião tenha semelhanças e elementos do cristianismo e da Bíblia, ela apresenta muitas diferenças. A igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, como é chamada, anuncia que o Jesus ressurreto visitou a América e, por fim, voltará para estabelecer o paraíso eterno nela. “O modo pelo qual nos comunicamos reflete o fato de que somos um filho ou uma filha de Deus. Uma linguagem limpa e inteligente é evidência de uma mente brilhante e sadia. A boa linguagem, que eleva, incentiva e elogia as pessoas, convida a companhia do Espírito para estar conosco”, defendeu Michael.

 

milhões é a estimativa de pessoas adeptas à religião no Brasil

Designação evangélica

 

Os evangélicos são, atualmente, 19% da população brasileira e se apresentam em diversas denominações, podendo ser pentencostal, congregacional, batista, presbiteriano, etc. Apesar das variações denominacionais, os termos usados são praticamente os mesmos, podendo ser palavras traduzidas para o português ou expressões mantidas em aramaico, hebraico e grego, línguas nas quais a Bíblia, principal livro da designação, foi escrito. “A maioria das expressões verbais emanam do que o próprio Deus deu ao seu povo. Assim, fazemos uso sabendo que estamos nos comunicando e anunciando a palavra do próprio Deus”, explica o seminarista Matheus Simonton.

%

da população nacional se considera evangélica hoje

%

se considerava desta religião no fim do século 20

Maná

Alimento diário, segundo a Bíblia, semelhante ao pão, que Deus mandou para o seu povo no tempo em que eles peregrinaram no deserto em direção à Terra Prometida

Jeová

Denominação hebraica de Deus

Avivamento

Expressão que remete a uma comunhão mais profunda do crente com o Espírito Santo

Fariseus

Homens citados na Bíblia como doutores da lei de Moisés

Abba

Título atribuído por Jesus a Deus para chamá-lo de Pai. Indica intimidade. Jesus ensinou os cristãos a chamarem Deus dessa forma.

Tabernáculo

Era o templo onde Deus habitava (“habitação santa”) desde que o povo de Israel peregrinava pelo deserto, até o reinado de Salomão

Espiritismo (Kardecismo)

 

Umbral (portal)

Região do mundo espiritual mais próxima da Terra

Desencarnar

Morrer

Erraticidade

Espaço entre uma encarnação e outra

Perispirito

É o fluido que liga o espírito ao corpo. É morfologia visível do espírito de alguém. Na linguagem popular, é o que se vê quando se encontra um fantasma

Mediunidade

Intercâmbio entre dois planos espirituais

Passe espírita

Transferência de energia entre pessoas, normalmente, feita através de imposição de mãos

Akásico

Diz respeito ao que é celestial

Representados por 3% da população nacional, os espíritas trazem valores e crenças juidaico-cristã, entretanto, possuem crenças distintas e únicas, tendo como principal a crença na reencarnação, considerando que as pessoas, ao falecerem em determinado momento, podem voltar à vida, futuramente, em um outro corpo. Mônica Dantas, 48, é funcionária pública, segue o espiritismo e ressalta, na doutrina de sua religião, a relevância das expressões linguísticas. “A função das palavras em nossas reuniões é consolar, acolher e esclarecer pessoas que chegam, por vezes, confusas, sobre a realidade espiritual. Muitos procuram os centros espíritas porque perderam um parente e quem entrar em contato com ele, portanto chegam tristes e abatidos. Diante disso, através de nossas palavras e ensinamentos, podemos consolar quem chega”, esclareceu.

%

da população nacional se considera espírita

Laís Leon

Laís Leon

Repórter

Laís é estudante de jornalismo da Universidade Católica de Pernambuco e escreve para o Diario de Pernambuco desde 2016, passando pela editoria de redes sociais antes de integrar a equipe do CuriosaMente.

Ricardo Fernandes

Ricardo Fernandes

Fotógrafo

Ricardo é fotógrafo do Diario de Pernambuco desde 2000.

Nando Chiappetta

Nando Chiappetta

Fotógrafo

Nando faz parte da equipe de fotografia do Diario de Pernambuco desde 2010.

A reportagem também contou com imagens de arquivo dos fotógrafos Rafael Martins e Alcione Ferreira

Comentário(s)

Comentário(s)