Caruaru, a cidade mais cantada “em linha reta” do mundo

por

Capital do Agreste é alvo de proposta de novo recorde ao Guiness Book como o município mais citado em canções lançadas no mercado em todo o mundo

 

“A feira de Caruaru, faz gosto a gente ver…”. Ao ouvir este trecho de um dos clássicos da música pernambucana – eternizado na voz de Luiz Gonzaga – andando pelo cenário que a letra evoca, no ano de 1982, o odontólogo (“e mais de vinte profissões ao longo da vida”, como define) Emanuel Leite de Souza inspirou-se a dedicar boa parte do tempo a um só objetivo: encontrar o máximo de músicas em que o nome da cidade é citado e tornar Caruaru oficialmente “A cidade mais cantada do mundo”.

Emanuel Leite/Cortesia

Música com mais citações

Caruaru, de Arnoud Rodrigues cita 36 vezes o nome da cidade

E assim o fez, até março de 2015, quando enviou para o Guinness Book uma lista de 1,5 mil músicas nas quais a cidade do Agreste pernambucano é mencionada. “Enviei, eles responderam que vão avaliar o pedido. Não disseram nem que sim, nem que não”, conta Doutor Leite, como é conhecido em Caruaru (“é o nome de guerra”, explica sorrindo).

A demora é justificada, diz. “Eles recebem mais de 100 mil pedidos para oficializar recordes por ano e, desses, apenas uma pequena parte é catalogada”.

No caso do recorde da cidade mais cantada, há ainda mais um fator que influencia: seria necessário criar nova categoria de recorde para a cidade ganhar o título. A nomeação, segundo Leite, teria tudo para permanecer por um bom tempo com a cidade. “Eu pesquisei no Brasil e ao redor do mundo. O Rio de Janeiro não chega a 300 músicas, o Recife também. No exterior, Nova York e Liverpool são algumas das mais citadas, mas sem chegar nem perto de Caruaru”, relata, orgulhoso.

Curiosamente, Doutor Leite é nascido em Campina Grande, rival de Caruaru no título de “Capital do Forró”. Porém, chegou na cidade ainda jovem, em 1949, aos oito anos de idade. Passou a trabalhar como guia turístico, percorrendo cada pedaço de história da cidade. Para iniciar a pesquisa, contou com a ajuda de colecionadores de todo o estado. “Falei com mais de 30 colecionadores de vinil na década de 1980 e cada um fazia o seu levantamento. Comecei com 100 músicas, depois 200 e vi o potencial”.

A regra para catalogação é simples. Basta que o nome da cidade seja citado. Uma ou 36 vezes, caso da música Caruaru, de Arnoud Rodrigues, registra-se apenas uma entrada. “Eu cataloguei e enviei ao Guinness o nome de cada música, a letra, o intérprete e o compositor”, explica.

Música mais antiga catalogada

Caruaru, de Belmiro Barreto, interpretada por Cauby Peixoto em 1953

Músicas identificadas citando Caruaru

Ritmos das canções catalogadas

De acordo com o professor do Departamento de Letras da Universidade Federal de Pernambuco, Lourival Holanda, em princípio, a construção de toda letra de música está conectada a um lugar. “Existem músicas sobre Caruaru, de compositores como Onildo Almeida, que são como poemas musicados, que conseguem marcar determinados momentos culturais e históricos da cidade”, aponta, destacando ainda que a citação de um local também pode ser uma forma de marcar essa conexão.

No universo pesquisado por Leite estão as músicas clássicas, que ajudaram a fazer a fama da cidade, e também as recentes, não muito ao gosto do pesquisador, mas catalogadas – não há luxo de “controle de qualidade”. “Têm músicas das décadas de 1970 e 1980, que são forrós bonitos, com estilo, e umas de hoje em dia, que não são bem assim”, compara.

Intérprete com mais músicas citando a cidade

Luiz Gonzaga, 18 músicas

Um sonho trabalhoso e caro

Doutor Leite reluta um pouco até admitir a quantidade aproximada de dinheiro que lhe custou o sonho de tornar Caruaru a cidade mais cantada do mundo, mas reconhece que cerca de R$ 50 mil já foram investidos. Alguns vinis, por exemplo, custam algumas centenas de reais. O dinheiro, inclusive, é a razão principal da pesquisa ter sido colocada em pausa.

Emanuel Leite/Cortesia

“Parei para me recapitalizar. É uma atividade que demanda tempo e dinheiro. Seria bom receber apoio da Fundarpe para dar continuidade”, afirma, citando ainda que a manutenção dos itens também demanda investimento. Ao todo, a coleção conta com mais de 700 vinis e mil CDs, todos catalogados em ordem alfabética para evitar contagens duplicadas. Apesar dos 1,7 mil exemplares, ela ainda pode crescer na busca de ampliar a lista de músicas enviadas ao Guinness. “Quando eu estiver capitalizado de novo, em um mês, consigo mais 200, 300 músicas”, garante. “Não é por vaidade minha. Eu quero dar esse título para a cidade e lançar o desafio para qualquer cidade do planeta, que tentem encontrar mais músicas do que as de Caruaru”, conta sobre o que chama de retribuição à cidade que o adotou.

João Vitor Pascoal

João Vitor Pascoal

Repórter

João foi repórter do CuriosaMente entre 2015 e 2017. Não é do maiores frequentadores da capital do forró, nem dança, mas é admirador do município-símbolo do Agreste.

Comentário(s)

Comentário(s)