Pokémon Go chega ao Brasil, mas apresenta problemas

Pin it/Reprodução

O app Pokémon Go, já lançado na Nova Zelândia e na Austrália, chegou às lojas virtuais de todo o mundo, incluindo o Brasil, gerando comoção de fãs que, durante algumas poucas horas, puderam experimentar o que está por vir. O app, desenvolvido pela Pokémon Company em parceria com a Nintendo e Niantic, tem lançamento previsto para o final de julho de 2016 e promete levar os personagens tão amados para o mundo real, mas ainda não foi oficialmente liberado em diversos países – o que não impediu muitos brasileiros de já realizarem as primeiras capturas de pokémons nesta primeira semana de julho.

O jogo permite caçar e capturar pokémons, além de batalhar com amigos e trocar os 151 monstros. A exploração do mundo real é porque os monstrinhos podem estar espalhados por todos os lugares, inclusive atrás de você, na sua sala, por exemplo. Para isso, o jogo utiliza a geolocalização do usuário.

Entretanto, como o lançamento oficial ainda não foi realizado fora dos dois países, a navegação no software ainda é “clandestina” e está apresentando problemas. Segundo o UOL, o jogo abre, a loja virtual do app está funcionando, ela permite comprar itens para capturar os pokémons, mas o mapa do jogo não mostra conteúdo, impossibilitando o usuário de avançar no jogo.

Na Austrália, o primeiro país a receber o game, os jogadores acabaram enfrentando outros problemas na hora de jogar. Como o jogo interage com o mundo real, uma das Pokestops – para lidar com itens ou pokémons no universo virtual – foi nada menos que o interior de uma delegacia. Vários jovens entraram na unidade policial em busca de pokébolas, o que motivou um comunicado oficial bem humorado do departamento, na internet: “Por favor, estejam cientes de que vocês não precisam entrar na delegacia para conseguir suas pokébolas. Também é uma boa ideia olhar para os dois lados antes de atravessar a rua”.

Gostou do conteúdo? Em nossa página tem mais:

Zoom

Zoom in Regular Zoom out

Facebook

Comentário(s)

Comentário(s)