Titanic afundou graças a incêndio, não por bater em iceberg, defende estudo

Creative Commons

Livros de história e até filmes de enorme bilheteria já consolidaram a associação iceberg e Titanic, mas teorias decorrentes da descoberta de imagens raras do navio, em 12 de abril de 1912, agora alegam que a causa primária do afundamento que deixou 1,5 mil mortos tenha sido um incêndio incontrolável, não o choque contra a montanha de gelo.

A teoria de chamas terem tomado parte do navio já era reconhecida por experts, mas fotografias recentes do então engenheiro-chefe de eletricidade do barco passaram a sugerir um desfecho diferente. O jornalista Senan Molony, que há 30 anos se dedica a pesquisas sobre o Titanic, trouxe à pauta as evidências de marcas pretas de mais de nove metros na árte direita do casco, logo atrás onde acredita-se que o iceberg tenha atingido. “Observamos a área exata em que o iceberg bateu e, ao que parece, a área já tinha danos e fragilidades naquela área antes mesmo de deixar Belfast, na Irlanda do Norte”, disse ao jornal britânico The Independent.

Segundo estudiosos, as marcas teriam sido causadas por um incêndio em três andares que serviam de compartimento de combustíveis, atrás de uma das caldeiras do navio. Cerca de 12 homens teriam tentando controlar as chamas, sem sucesso – e teria sido por isso que, ao bater no iceberg, o metal que revestia o navio acabou abrindo.

Além disso, há evidências de que o presidente da companhia que construiu o Titanic, J Bruce Ismay, tenha proibido que o incêndio fosse mencionado aos 2,5 mil passageiros. Os danos prévios, inclusive, teriam sido encobertos ancorando, em Southampton, no sentido contrário, impedindo que os passageiros percebessem os danos causados. “O afundamento foi atribuído a Deus, mas esse não é um caso de colisão e afundamento. É uma junção de fatores extraordinários somados: incêndio, gelo e negligência criminal. Experts em metalurgia já nos conta que, numa temperatura em que o aço deve ter chegado, a resistência do material cai até 75%”, completa Molony, que estrelou documentário Titanic: as novas evidências, exibido no Reino Unido na noite de ano novo 2016/2017.

De acordo com o jornal, outros experts anteriormente já haviam apontado que um incêndio tomou conta do Titanic antes da partida, entre eles, Ray Boston, dedicado ao tema por 20 anos, que aponta o problema desde a fase de testes, 10 dias antes do navio deixar Southhampton. Ele disse ainda, em 2008, que o incidente tinha potencial de converter-se em explosões nos decks, antes que o navio chegasse a Nova York.

Gostou do conteúdo? Em nossa página tem mais:

Zoom

Zoom in Regular Zoom out

Facebook

Comentário(s)

Comentário(s)