Casal de universitários vende trufas para bancar casamento e moradia

por

Pelo menos quatro mil trufas separam Ingrid Fontes e Diego Oliveira, ambos aos 21 anos, da realização de um sonho. Eles estão noivos há um ano e dois meses, mas para começarem a viver juntos, precisam do dinheiro das vendas desses milhares de doces para que consigam arcar com a entrada da compra de um terreno, onde pretendem construir sua casa. Além disso, a venda de outros milhares de doces ajudarão na construção da moradia e, quem sabe, nas despesas do casamento.

Os dois são estagiários, Ingrid faz Engenharia Florestal na Universidade Federal Rural de Pernambuco e Diego faz Engenharia Civil na Uninassau,  mas, por precisarem ajudar nas despesas na casa dos pais, o dinheiro não é o suficiente para a realização dos sonhos. O casal se conheceu em 2013, em um simpósio da igreja que frequentam, no bairro de Água Fria, mas demorou até iniciarem um relacionamento. 

Shilton Araújo/Especial DP

Diego ganhou prática na produção das trufas assistindo vídeos no YouTube e vendo receitas online. Já Ingrid aprendeu diante da necessidade, vendo o noivo fazer os doces. “Como o material das trufas fica aqui na minha casa e algumas vezes elas acabavam logo, vi a necessidade de fazer sem a ajuda de Diego e deu certo. Nós temos que fazer com muita boa vontade, e sempre prestar atenção em detalhes como o ponto do recheio e o ponto das casquinhas”, explica a universitária.  

Matemática para a realização do sonho

A entrada para um terreno custa R$ 6 mil
1 trufa custa R$ 1,50 mil
É necessário vender 4 mil trufas para dar entrada em um terreno

 

Diante dos planos criados, decidiram criar a “Trufas dos Noivos”. Diego teve a ideia de colocar em prática um dos talentos que já tinha: fazer as trufas para vender. Agora, juntos, tem como prioridade o pagamento dos cerca de R$ 6 mil de entrada no terreno (que, ao todo, custa entre R$ 20 mil e R$ 25 mil). Com os pés no chão, o casal espera conseguir, até o final de 2018, o suficiente para o terreno e parcelar o restante do valor.

Para Diego, já com prática na confecção dos doces, o diferencial está no tratamento da trufa. Não basta saber fazer ou ter os materiais, é um trabalho que exige carinho e paciência. “Todos podem ter essa iniciativa, mas é bom estudar e fazer com gosto e amor. Algumas pessoas querem fazer por ser ‘modinha’, mas com o tempo perdem o ânimo”, opina.

As trufas são vendidas por R$ 1,50 na igreja que o casal frequenta e nas faculdades onde estudam. O trabalho intenso começou na segunda quinzena de janeiro e Ingrid estima que, em um mês de vendas, tenham sido vendidas entre 200 e 250 trufas; após comprar os materiais para aumentar o ritmo de produção, o casal fechou o mês com R$ 175. 

Informações para contato e encomendas

Para encomendar – 9 9632-7810 ou 9 9712-2295
Página do facebook – http://migre.me/whbDL 

 

Mesmo quando atingirem a meta pessoal dos dois, Ingrid e Diego não querem parar de produzir trufas; a ideia é poder ajudar outros que não tenham condições de pagar pelo casamento. “Outros noivos estão na mesma situação que a nossa e precisam de ajuda. Vamos fazer tudo de novo para ajudar depois que conseguirmos nosso objetivo”, garante Diego. Alguns dos noivos são amigos do casal, mas outros contam seus casos pela internet e contam com a força conjunta para produzirem suas próprias trufas.

Shilton Araújo/Especial DP
Shilton Araújo/Especial DP
Paula Paixão

Paula Paixão

Repórter

Paula é estagiária do Diario de Pernambuco desde janeiro de 2017

Shilton Araújo

Shilton Araújo

Fotógrafo

Shilton é estagiário de fotografia do Diario de Pernambuco desde agosto de 2016

Comentário(s)

Comentário(s)